Pessoas empregadas podem receber o Bolsa Família?

O Bolsa Família é um programa social importante que auxilia diversas famílias brasileiros. O funcionamento do programa ainda é uma dúvida para muita gente, que não sabe quem possui direito ou não ao recurso.

Você sabe se uma pessoa empregada tem direito a solicitar a bolsa? Esta e outras dúvidas poderão ser esclarecidas no texto a seguir.

O Bolsa Família é um programa de transferência de renda, e isto quer dizer que as famílias selecionadas passam a receber um auxílio financeiro mensal direto em uma conta bancária promovida pelo benefício.

O objetivo do programa é garantir que as necessidades básicas da família sejam cumpridas, como por exemplo, acesso à vestimenta, alimentação, transporte, entre outros.

Quem solicitou o a participação no programa, deve aguardar a aprovação e estar atento ao calendário Bolsa Família 2020 que estará especificando as datas de pagamento para as famílias beneficiadas.

Mas afinal, quem pode receber?

Existem duas categorias que classificam as famílias do programa e para ter direito a receber, você deve estar de acordo com os requisitos de cada uma. Confira:

  • Para famílias que se encontram em situação de pobreza extrema, é necessário possuir renda mensal de até R$89,00 por pessoa.
  • Para famílias que se encontram em situação de pobreza, é necessário possui renda mensal entre R$89,01 e R$177 por pessoa.

As exigência do Bolsa Família são socioeconômicas e garantem um valor base para os beneficiados. Entretanto, a família tem direito ainda a acumular 5 benefícios, acrescentando uma soma ao valor do Bolsa Família 2020.

Confira a seguir algumas possibilidades de benefícios oferecidos pelo Bolsa Família aos núcleos participantes:

  • Auxílio financeiro para cada filho de até 15 anos;
  • Auxílio para filhos dependentes entre 16 e 17 anos;
  • Auxílio para mulheres gestantes da família registradas no programa;
  • Entre outros.

E uma pessoa empregada, recebe a bolsa?

A grande dúvida é em relação ao recebimento do recurso para aqueles qe trabalham. Bem, a família pode continuar recebendo o auxílio sim, isto se a renda exigida pelas categorias do Bolsa Família esteja sendo cumprida.

Ou seja, a renda mensal para cada membro deve continuar sendo equivalente a até R$177. Mas isto é relacionada aos trabalhos individuais e não formais.

Quem trabalha através da carteira assinada, por exemplo, não poderá mais receber o auxílio do Bolsa Família, pois a remuneração base para quem trabalha pela CLT é de um salário mínimo. Essa remuneração desclassifica a família das condições do programa, pois já não é considerada a situação de pobreza absoluta.

Servidores Públicos Tem Direito ao PIS? Entenda como funciona

Quem atua no mercado de trabalho através da CLT fica automaticamente coberto por diversos benefícios trabalhistas. São exemplos destes benéficos, o seguro desemprego, o auxílio-doença e o PIS. O Programa de Integração Social proporciona o pagamento do abono salarial mas para os trabalhadores da rede privada. E quem serve a rede pública, tem direito ao saque? Verifique as informações a seguir e descubra.

O que é o PIS?

Mensalmente, o trabalhador brasileiro recebe alguns descontos do seu salário bruto e estas taxas proporcionam segurança para o mesmo. O Programa de Integração Social (PIS) é um destes benefícios. Mas vale lembrar que não é sempre que este recurso pode ser acessado sempre.

Para o trabalhador de empresa privada receber o PIS 2019, é necessário possuir registro na CLT há pelo menos cinco anos, receber até dois salários mínimos vigentes, ter seus dados informados corretamente no Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) pelo empregador e ter exercido 30 dias, seguidos ou não, de serviço remunerado.

Quem tem dúvidas quanto ao recebimento do valor, deve verificar a tabela PIS 2019. Lembre-se: o saque é destinado aos trabalhadores da rede privada.

Servidor público tem direito?

Como você já pode conferir, o PIS é muito importante e permite o pagamento de um valor equivalente aos dias de serviço prestados pelo funcionário. Mas afinal, o servidor público tem direito a receber este valor?

Sim, o servidor da rede pública também pode receber o abono salarial, entretanto, vale mencionar que o benefício é proporcionado pelo Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP).

Enquanto o PIS é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal, o PASEP é gerenciado pelo Banco do Brasil e os servidores que tem direito ao saque, receberão o valor através de seu banco.

Como sacar?

Os requisitos de saque para o PASEP são os mesmos do PIS, portanto, quem recebe o valor mínimo, tem o tempo de serviço necessário e está com os dados devidamente informados nas instituições, deve ficar atento ao prazo de saque do abono salarial.

Quem não retira o benefício dentro do prazo estabelecido, tem o valor retido e perde o direito ao saque. O abono é pago em lotes, dando prioridade aos aposentados e casos especiais.

Quando confirmar o direito a receber o abono salarial e o pagamento dos lotes do PIS/PASEP, basta ficar atento a sua conta de recebimento e efetuar o saque no banco em questão, seja a Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil.

Saiba quem pode receber o LOAS

O benefício assistencial, também conhecido como LOAS, é um serviço muito importante que visa auxiliar as pessoas de baixa renda que precisam de suporte específico. Nem todo mundo pode passar a receber o auxílio financeiro do LOAS, por isso, vale a pena conferir quem pode ter direito ao benefício do LOAS. Saiba tudo lendo o texto a seguir:

O que é o LOAS?

Como mencionado, o LOAS é um benefício assistencial proporcionado pela Previdência Social. O que nem todo mundo sabe é que não é preciso ter contribuído diretamente com o INSS para ter direito ao auxílio.

O recurso pode ser dividido entre Benefício Assistencial ao Idoso e Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência e em o intuito de promover qualidade de vida para este público.

O benefício promovido pela Previdência também é conhecido como LOAS, porque é a Lei que dá origem ao benefício. O benefício visa garantir um salário mínimo para que tem direito à assistência.

Precisa declarar no imposto de renda?

Como você já deve saber, o imposto de renda é uma declaração de rendimentos não tributáveis que deve ser declarada obrigatoriamente por quem se encaixa nas exigências da Receita Federal.

Benefício Assistencial não necessariamente precisa ser declarado no IR, entretanto, você deve considerar algumas exceções. Por exemplo, se o assegurado requisitou o LOAS e demorou a receber ou teve o valor bloqueado, ele pode receber todo o valor mensal de uma só vez.

Desta forma, supondo que o valor seja superior a R$ 30,000, por exemplo, o servidor deva informar o rendimento de acordo com o valor da tabela Imposto de Renda 2019.

Quer saber mais sobre o imposto de renda? Confira o link a seguir e fique por dentro de tudo: https://impostorenda2019.com/imposto-de-renda-2019/

Quem tem direito a receber o LOAS?

Como você pôde conferir nas informações acima, o LOAS é um benefício muito importante para subsidiar as necessidades da pessoa cadastrada. Mas vale lembrar que para participar, a pessoa interessada deve cumprir os requisitos do Benefício Assistencial e solicitá-lo com a Previdência.

Para a categoria de Benefício Assistencial para idosos:

  • É necessário ter idade superior a 65 anos;
  • Estar classificado em estado de pobreza ou passando por necessidades.

Para a categoria de Benefício Assistência à Pessoa com Deficiência:

  • Quem possuir alguma deficiência de qualquer natureza que impeça a igualdade de condições com os demais em sociedade, impedindo sua plena participação;
  • Estar classificado em estado de pobreza ou passando por necessidades.

O que pode acontecer se você não pagar o licenciamento?

O proprietário de veículos no Brasil tem diversas obrigações, uma elas é a realização anual do licenciamento do seu carro. Este documento funciona como uma identificação do veículo, certificando que ele está apto para circular nas vias  e avenidas.

Muita gente acaba atrasando ou deixando de cumprir com este recurso, e isto pode causar diversas consequências. Você sabe o que pode acontecer se você não pagar o licenciamento? Leia o texto abaixo e descubra.

O que é o Licenciamento?

O licenciamento do veículo permite a emissão de um documento chamado de Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo, também conhecido como o CRLV.

Este é um dos documentos mais importantes para os proprietários e vale mencionar que é de porte obrigatório. Por isso, é necessário estar sempre com o CRLV em dias e em mãos.

O que é preciso para pagar?

Este serviço é de extrema importância e não funciona sozinho. Antes de pagar o licenciamento do seu automóvel, será preciso que você esteja em situação regular com as outras obrigatoriedades para proprietários de veículos no Brasil.

Um bom exemplo destes valores necessário é o Imposto para Proprietários de Veículos Automotores (IPVA). Este imposto também é um dos mais altos, principalmente para alguns estados. Por isso, vale a pena conferir:

Vale lembrar que algumas regiões tem o IPVA alto, representando de 3 a 4 % do valor original do veículo, como é o caso do IPVA RR. Portanto, o proprietário deve se preparar para este pagamento com antecedência ou não poderá realizar o licenciamento do seu veículo.

E se eu não pagar?

Como o licenciamento do seu carro é uma obrigatoriedade, não cumprir com ele pode acabar gerando uma dor de cabeça. Se você atrasar a realização do licenciamento estará sujeito a cobrança de multas e acréscimo de juros ao valor base.

Além disto, se você for autuado circulando sem o porte ou com este documento atrasado poderá receber multas, pontos na carteira e até ter seu veículo apreendido.

Como regularizar o licenciamento?

Ficar regular com este documento pode ser um processo simples. Você pode conferir todas as pendências do seu veículo, visitando o site oficial do Detran de sua região e fornecendo os dados do seu carro.

Depois é só gerar um novo boleto, já com as devidas correções monetárias para pagamento. Você pode selecionar a opção de selecionar algumas dividas. Assim, ficará de acordo com o licenciamento.

Mulheres sem filhos tem direito de receber o bolsa família?

Muitas pessoas ficam na dúvida de podem ou não receber o bolsa família, principalmente as mulheres que ainda não tem filhos. Se você se enquadra nessa situação, saiba que neste post reunimos todas as informações sobre. Abaixo, confira quem tem ou não direito a este benefício concedido pelo Governo Federal!

O Bolsa Família é um dos principais benefícios concedidos pelo Governo Federal às famílias brasileiras que se encontram em estado financeiro vulnerável, ou seja, de baixa renda. 

Esse benefício já beneficiou mais de 13 milhões de famílias. Porém, com a entrada do novo Governo o Bolsa Família pode acabar. 

Abaixo, confira mais informações sobre!

Quem tem direito ao Bolsa Família?

Essa é uma das perguntas mais frequentes feitas pro aqueles que desejam dar entrada e receber este benefício. 

Assim como já mencionamos neste post, este benefício é concedido às famílias que se encontram em situação de pobreza ou de extrema pobreza. 

Abaixo, confira os casos de pessoas que tem direito ao Bolsa Família:

  • Família com renda por pessoa de até R$ 85, e pobres;
  • Pode participar famílias pobres que tenham gestantes e crianças ou adolescentes entre 0 e 17 anos;
  • Além disso, é preciso estar inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal;
  • As gestantes devem fazer consultas de pré-natal, conforme calendário preconizado pelo Ministério da Saúde (MS);
  • Manter em dia o cartão de vacinação das crianças de 0 a 7 anos;
  • Acompanhamento da saúde de mulheres na faixa de 14 a 44 anos;
  • Participar das atividades educativas ofertadas como aleitamento materno e alimentação saudável;
  • Frequência mínima de 85% na escola, para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, e de 75%, para adolescentes de 16 e 17 anos;
  • Famílias que possuem renda por pessoa entre R$ 85,01 e R$ 170.

O valor do Bolsa Família vai de R$85,00 até R$ 372,00.

Afinal, mulheres sem filhos tem direito ao Bolsa Família?

Tem direito a este benefício famílias que se encontram em situação de pobreza ou de extrema pobreza. Sendo assim, mesmo se a mulher não for casada ou não tiver filhos mas se enquadra no perfil de famílias de até R$89,00 por pessoa, no caso de pobreza extrema, ou entre R$89,01 até R$178,00, ela pode entrar no programa.

Sendo assim, mulheres que não tem filhos possuem o direito de dar entrada nesse benefício. 

Porém, em casos de fraudes o Bolsa Família pode ser suspenso. Veja a seguir, os casos que podem ocasionar a suspensão deste benefício:

  • O beneficiário conseguiu um emprego com carteira assinada;
  • A soma dos benefícios por pessoa chega a mais de R$ 170;
  • Os documentos entregues para cadastramento são falsos.

Novo pedido para concurso Receita Federal: Veja!

A Receita Federal é uma das instituições mais importantes do país e por isso, para prestar serviços como funcionário pra ela é necessário passar por uma seleção de concurso. Muitas pessoas esperam anos para se inscrever para o concurso da Receita e a boa notícia é que a mesma enviou um pedido para a abertura da seleção. Veja mais a seguir:

O concurso

Os concursos como este, geralmente, demoram bastante tempo para serem aberto e por isso, quando há a disponibilidade vagas é necessário aproveitar a chance.

Recentemente, a Receita Federal enviou um novo pedido requirindo a abertura de um concurso público para preencher as vagas que ficaram disponíveis no órgão.

A expectativa é que sejam ofertadas cerca de 5 mil vagas. A distribuição dos cargos será efetuada entre Analista Tributário da Receita Federal e para Auditor Fiscal. Vale lembrar que é necessário ter nível superior para concorrer.

Vantagens

Os concursos da Receita Federal são muito concorridos, isto porque os cargos apresentam diversas vantagens. Confira abaixo algumas delas e entenda porque tanta gente quer trabalhar na instituição:

Remuneração

A remuneração para qualquer um dos cargos ofertados pela Receita Federal são muito mais altos do que a maioria dos cargos regulares. Por isso, muita gente se candidata a participar dos concursos.

Estabilidade

Um outro ponto que atrai a atenção de muitos participantes, é a estabilidade na carreira do funcionário. Quando é selecionado através de concurso, o funcionário só pode ser dispensado através de processo administrativo, ou seja, as chances de ser dispensado do cargo são mínimas.

Estabilidade financeira

A estabilidade financeira também é um das vantagens do concurso público. O acordado será sempre pago até o final da função e não há chances de descer de cargo.

Carga Horária

A carga horária destes serviços é, geralmente, inferior aos cargos regulares e pode proporcionar outros benefícios de cargo público, dependendo de cada função.

Como se preparar?

Cada cargo irá dispor de uma categoria diferente e assim, um preparo diferente. O ideal é que você escolha para qual cargo irá concorrer antes de começar a se preparar.

Na internet, você poderá encontra diversos materiais disponíveis com os assuntos específicos para o concurso da Receita. Também é possível realizar cursos preparatórios na modalidade presencial e EAD. Há muitas formações preparatória com ótimo custo!

Quanto antes você começar a se preparar melhor. Não se esqueça de ficar atento à divulgação de datas e se inscreva para a seleção da Receita Federal!

FONTE: https://impostorenda2019.com/

Qual a diferença entre salário líquido e salário bruto?

Dentro dos direitos trabalhistas, temos muitas nomenclaturas diferentes que podem acabar confundindo o trabalhador brasileiro. Por exemplo, você sabe qual é a diferença entre salário liquido e salário bruto? Muitas vezes, a falta de informação pode levar você a não dispor dos seus direitos, por isso, estar ciente desse tipo de assunto é fundamental.

Se você tem dúvidas quanto a o salário liquido e o salário bruto, leia o texto a seguir e entenda a diferença entre os dois:

Direitos trabalhistas

A primeira coisa que você deve saber é que quando está exercendo suas funções para um empregador por intermédio da carteira assinada, você fica protegido por diversas leis do trabalho. Estas leis são responsáveis por garantir os seus direitos como trabalhador.

Estes recursos garantem que você tenha direito ao FGTS, PIS/PASEP e remuneração base. A base para o pagamento de um funcionário é o salário mínimo, que assegura ao trabalhador o valor base estabelecido anteriormente.

Dentro da sua remuneração base, ou seja, o seu salário mínimo, existem algumas taxas a serem cumpridas e é aqui que você entenderá a diferença entre o salário liquido e o salário bruto.

Salário bruto

Mensalmente, recebemos um valor base, seja o salário mínimo estabelecido ou uma remuneração combinada com o empregador. Esta cifra chamamos de “valor cheio”, pois é o total do recebimento.

Geralmente, quando o empregador contrata um funcionário, a remuneração combinada é a do salário bruto. Por isso, o funcionário pode acabar se surpreendendo com o valor final.

É importante sempre verificar estas informações no seu contra-cheque mensal, para garantir que nenhum valor está sendo cobrado indevidamente e entender o que é cada cifra.

Salário liquido

Como você já deve ter notado o valor do salário bruto é o completo, mas não é o que o funcionário irá receber. Isto porque, há os descontos! Estes descontos são equivalentes ao FGTS, vale transporte, vale alimentação, e as cobranças do INSS.

No final das contas, pode haver ainda acréscimo de hora extra e o valor do seu salário liquido pode subir. Por isso, observar o contra-cheque é tão importante, assim você saberá quanto de desconto está sendo cobrado do seu salário bruto e quanto está sendo acrescentado.

Uma boa dica é você fazer o cálculo da sua hora extra, de acordo com o seu salário mínimo e a quantidade de horas trabalhadas. Desta forma, ficará mais difícil de haver um erro em sua folha de pagamento. Fique atento!

Qual a Diferença entre Salário Mínimo e Piso Salarial

Você deve saber que o salário mínimo é o valor sugerido para que o trabalhador brasileiro possa custear suas necessidades básicas. Este é um dos principais direitos do funcionário atualmente e garante remuneração justa. Mas muita gente ainda confunde salário mínimo com piso salarial. Você sabe diferenciar ambos? Leia o texto a seguir e entenda qual a diferença entre salário mínimo e piso salarial.

Salário Mínimo

O salário mínimo corresponde ao valor salarial previamente estabelecido pela ordem jurídica do Brasil. Este direito garante que o salário não seja inferior ao mínimo estabelecido. A constituição prevê que o valor do salário mínimo seja base para trabalhadores urbanos e rurais.

Mas vale lembrar que este valor base sofre alguns descontos, como os valores tributáveis do INSS. Portanto o Salário mínimo liquido pode ter uma cifra diferente da que é prevista. Isto quer dizer que na folha de pagamento, o trabalhador irá receber um valor menor ao do salário base, devidos aos descontos obrigatórios revertidos em benefícios trabalhistas.

Anualmente, o valor salarial base dos trabalhadores brasileiros pode sofrer alguns ajustes, subindo ou descendo. Você já conferiu o Salário mínimo 2019? É importante ficar por dentro do assunto!

Piso Salarial

Como você pôde conferir o salário mínimo é muito importante pra garantir remuneração justa para o trabalhador brasileiro. Mas qual a diferença entre ele e o piso salarial? Bem, o valor salarial base vale para todas as funções e áreas do mercado de trabalho, servindo para garantir que o funcionário não receba menos que isso. Já o Piso salarial representa um valor base para determinada profissão.

Ainda não ficou muito claro? Imagine que o piso salarial é dividido de acordo com determinada categoria de empregados. O estabelecimento destes valores pode ser regido por leis federais ou estaduais, por isso a remuneração de cada profissão pode ser diferente para cada região do país.

O piso salarial é definido de forma justa dependendo de cada profissão e a sua complexidade. Vale lembrar que a cifra não pode ser inferior ao salário mínimo anual.

Este direito está dividido entre três nomenclaturas diferentes, sendo elas:

  • Salário profissional, direcionado a profissionais pertencentes a certas categorias do mercado de trabalho;
  • Salário Convencional, estabelecido por convenção ou mediante a um acordo coletivo organizado por pessoas responsáveis;
  • Salário normativo, remuneração relativa à sentenças normativas.

Tanto o salário mínimo quanto o piso salarial são importantes para garantir remuneração justa para o trabalhador brasileiro, portanto, certifique-se de reivindicar o seu direito.

Como Requerer o Auxílio Doença? Veja Como Funciona?

Você sabia que quem exerce suas funções com a carteira de trabalho assinada dispõe de vários direitos previdenciários? Estes direitos asseguram que o trabalhador tenha alguma estabilidade financeira e de saúde em casos excepcionais que possam vir a acontecer. O auxilio doença, por exemplo, é um benefício que pode estar ao seu alcance.

Nem todo mundo está ciente do procedimento necessário. Você sabe como funciona e quando você pode solicitar o auxilio? Se você quer entender um pouco mais sobre o assunto e saber como requerer o auxilio doença, veja a seguir como funciona o procedimento:

O que é o auxilio doença?

Este beneficio é concedido para os trabalhadores que estiverem em situação temporária de incapacidade para realizar suas funções regulares. Para assegurar o auxilio, é preciso que o colaborador comprove através de perícia médica a invalidez momentânea. É a perícia que irá julgar a gravidade da situação e quanto tempo será necessário o recebimento do auxilio.

Mas atenção! O auxilio doença não é igual ao benefício assistencial. Muitas pessoas acabam confundindo os dois, mas a diferença é que para receber o benefício assistencial, o cidadão deve ter deficiência de natureza física, mental, intelectual ou sensorial.

Se você ainda tem alguma dúvida e quer entender mais sobre os procedimentos previdenciários, confira a tabela INSS 2019 e saiba tudo sobre os benefícios e reajustes para esse ano!

Como requerer o benefício?

Para realizar o requerimento do benefício, o assegurado deve adquirir um formulário de afastamento por parte da empresa e um laudo médico para comprovar a condição. Depois, é necessário agendar uma perícia médica. O agendamento pode ser feito direto na Previdência Social ou pelo telefone 135.

Se aprovado pela perícia do INSS, você poderá obter um laudo médico comprovando a sua situação. É preciso que o período de afastamento do serviço por parte do empregado seja superior a 15 dias e que todos os documentos sejam levados no dia que você agendar para receber atendimento.

Outro requisito necessário é que o empregado tenha, no mínimo, 12 meses de contribuição junto a Previdência Social.. Apenas a perícia do INSS poderá garantir que o benefício será concedido, por isso, é importante estar portando todos os documentos necessários e responder corretamente as perguntas que forem feitas na perícia.

Agende o seu atendimento o mais breve possível para que o resultado do seu laudo possa ser condizer com a sua situação. O auxilio doença é direito de todo trabalhador brasileiro contribuinte do INSS.

Vantagens e desvantagens em trabalhar com carteira assinada

Com o mercado de trabalho brasileiro cada vez mais complicado, onde se tem um número alto de desemprego, garantir um emprego com carteira assinada é cada vez mais difícil. Essa dificuldade vem fazendo com que algumas pessoas abrissem mão da busca por uma vaga de trabalho tradicional e comecem a ser autônomas. 

Apesar de o trabalho autônomo oferecer muitas vantagens, ter a carteira de trabalho assinada como empregador pode ser ainda melhor, em alguns casos, ou seja, ter a carteira assinada é uma boa estratégia para garantir direitos trabalhistas, como a aposentadoria, por exemplo.

Algumas pesquisas feitas com os trabalhadores brasileiros afirmam que a maioria deles preferem a segurança do regime da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), pois assim os benefícios e a formalidade são garantidos.

Pensando nas dúvidas que muitos trabalhadores têm sobre esse assunto, nós separamos as vantagens e desvantagens da carteira assinada para poder esclarecer todas essas questões. Confira:

Vantagens

O trabalhador que está empregado no regime CLT, além de ter garantia de férias e o 13° salário também possui direito a um período de 90 dias no início do trabalho onde o empregador pode assinar como “período de experiência”.

Além de ter direito ao FGTS e ao PIS/PASEP. Nesse último caso é preciso estar atento à tabela PIS 2019 caso você se encaixe nos requisitos.

No regime CLT também é garantido o pagamento salarial, as mulheres têm direito a licença maternidade de 120 dias (com garantia de emprego por 5 meses após o parto) e é possível ter folga em casos de casamento, alistamento ou morte de parente próximo.

Os trabalhadores também têm desconto máximo no vale transporte de até 6% do salário, pagamento de horas extras (quando trabalhadas), aviso prévio para os casos de demissões e ainda seguro desemprego.

No entanto muitas vezes esquecemos de outras questões que não reconhecermos como benefício para quem possui a carteira assinada. Um exemplo claro é o repouso semanal remunerado, que garante pelo menos uma folga por semana.

Desvantagens

Apesar de parecer ser a melhor opção, algumas vezes trabalhar em regime CLT pode não ser tão bom assim, ou seja, quando se está vinculado ao trabalho formal assalariado, é normal que o trabalhador perca a flexibilidade de horários, ter que se deslocar até o local de trabalho e ser submetido às ordens do empregador.

Além disso, o trabalhador formal também tem descontado na folha de sua remuneração o percentual de 11% sobre o recolhimento obrigatório do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), assim como benefícios da previdência social como auxílio doença e licença maternidade. Os demais descontos geralmente são pagos pela empresa.